sexta-feira, 19 de outubro de 2018

4 meses de bariatrica

No dia 18 de junho fui ao Brasil para realizar cirurgia bariátrica. No mesmo dia que eu operei fiz amizado com a Silvia e Marciele que operaram no mesmo dia. Foi ótimo ter elas como companhia nas fisioterapias e caminhadas para aliviar a ansiedade durante a madrugada. Até hoje mantemos contado por messenger e trocamos figurinhas. E sim, elas estão bem menores que nessa foto.

Super fashion com nossos pijamas e meias de compreensão


A cirurgia foi tudo bem. Não tive nenhum tipo de contratempo, nenhuma interferência, fui extremamente abençoada.
A recuperação é muito muito muito ruim. No hospital a ansiedade e o medo eram grandes. Tive dificuldade enorme de dormir, tinha dificuldade de relaxar. Sentia muita dor, mas dor normal. Em casa, pelos primeiros dias eu só consia dormir sentada.
E tudo bem, faz parte. Mas isso me arrasou emocionalmente. Minha depressão e pânico voltaram. A enfermeira me explicou que é normal isso acontecer porque nosso corpo passa por um trauma muito a química desiquilibra toda. Felizmente eu tive pessoas incríveis ao meu lado e logo estava medicada, indo a terapia e a coisa se equilibrou novamente. UFA!

Quando eu conseguir eu vou falar um pouco sobre a viagem ao Brasil que foi incrível.

4 MESES DEPOIS

Bom. 4 meses depois cá estou eu, recuperada fisicamente. Voltei ao trabalho com 45 dias de cirurgia, porque aqui nos EUA não tem esse negócio de atestado. Mas tirando uma colica aqui e alí no começo, hoje eu não tenho nenhum problema. Eu posso comer de tudo. Doce me faz mal no geral, mas eu não sinto falta. Não como frituras, mas as vezes que eu tentei caiu como uma bomba.

No meu dia a dia, na minha marmita do trabalho eu como legumes e quinoa com uma proteína. Eu amo. Se eu como macarrao ou arroz, pesa muito. Não sinto muita falta também.

Eu perdi 44 quilos até agora. Estou super cheia de pelancas, mas elas nao me incomodam muito por enquanto pelo menos. 

No geral está tudo bem. Eu estou livre da diabetes e esse era o meu maior problema. Eu passava mal e ficava bem doente constantemente. Junto a diabetes eu sofria de pressão alta e apnéia. Cheguei a fazer aquele teste de dormir com eletrodos na cabeça para constatar meu triste sono. Qualidade de vida péssima claro. 

Eu considero a cirurgia um milagre. Eu não vejo esse emagrecimento, a não ser pelas roupas e fotos claro. 

Minha relação com a comida é outra. Eu acho uma benção que qquer pedacinho de comida me satisfaz, nao sinto uma fome enorme e as coisas gordurosas, fritas, doces não me apetecem. 

Tem sido um grande aprendizado. Estou em paz com minhas escolhas. Nunca tive o sonho de ser magra, isso não foi a causa principal, mas me sinto mil vezes mais confortável com essa perda de peso.

Meu sonho sempre foi encontrar o equilibrio. Fazer boas escolhas e controlar, mesmo, a minha alimentação. Isto está acontecendo. Sei que o bom efeito da cirurgia não dura pra sempre. Eu sei que depende muito, mas muito de mim. Mas não tenho medo. 

Só não me vejo magra. Sério mesmo. Não me vejo mas magra do que estou agora. Cheguei ao peso que tinha antes de engravidar da Bianca. É engraçado.

Vou falando disso com o tempo. Beijos.

Fada do dente Fail







Eu vi esse post salvo nos meus rascunhos aqui no blogger e eu nem lembro como foi a história direito.

O que me deixou preocupada

O que me fez perceber que deixei de contar 3 anos da nossa história aqui nos EUA.

O que me fez decidir ser melhor nisso.

O blog é uma parte importante da minha história e eu tenho que continuar.

Bom. O que eu lembro é que o Eric ano passado teve seu primeiro dente caído.

E ELE FICOU A-R-R-A-S-A-D-O

Eu quando percebi que ele tinha um dente mole eu tentei jogar a história da Fada, pedi pra ele escrever uma carta. Ele escreveu meio forçado e não gostou muito. No outro dia tinha dinheiro embaixo do travesseiro. Ele não deu a menos bola.

E pronto! No big deal! Ele nem ligou. O segundo dente dele que caiu foi o papai que tirou amarrando com fio dental e chantageando o Eric, trocando tirar o dente por jogar videogame. Ele deixou. Achei ele corajoso.

Agora vem a pior parte: BIANCA.

Bom, como eu sabia que o dente do Eric ia logo amolescer eu como uma boa mãe de autista, preparei muito ele.

Pois bem. Uma semana depois do Eric (que é dois anos mais velho que a Bianca) perdeu um dente, eis que a Bianca chega no meu quarto apavorada, chorando muito, desesperada e eu noto um pouco de sangue e quando vou ver..não é que o dente dela caiu? Nossa, me senti retardada. Como que eu preparei o Eric tão bem e esqueci da Bianca? Poxa, ela é 2 anos mais nova, eu não achei que seria tão cedo. Pensa numa menina que chorou e chorou e chorou por 2 horas seguidas. Fiquei com o coração partido. Mas se o Eric não comprou a história do dente, a Bianca comprou menos ainda.

Até o momento (um ano depois) a Bianca já perdeu 4 dentes e o Eric apenas 2. Vai entender.

domingo, 4 de março de 2018

Bianca no Story Telling Festival

Aqui nas escolas do Distrito é comum ter uma Competição de Contação de Histórias nas escolas.

A professora da Bianca preparou ela e ela ganhou entre os Kindergardens e representou no festival da escola. Nós decidimos, junto com a professora,  não ir assistir porque isso podia ter afetado a apresentação, mas ficou combinado que ela ia gravar para nós. Tão fofa! Fiquei muito orgulhosa!

Esse é o poema:

My Crayons Talk  
by Patricia Hubbard

Talk. Talk.
My crayons talk.
Yackity. Clackity.
Talk. Talk. Talk.

Purple shouts, “Yum!
Bubble gum.”

Blue calls, “Sky,
Swing so high.”

Talk. Talk.
My crayons talk.
Yackity. Clackity.
Talk. Talk. Talk.

Red roars, “No,
Do not go!”

Green yells,
“Fun!
Watch me run.”

Talk. Talk.
My crayons talk.
Yackity. Clackity.
Talk. Talk. Talk.

White screams,
“Most
Scary ghost.”

Pink laughs,
“Clown,
Pants fall down!”

Talk. Talk.
My crayons talk.
Yackity. Clackity.
Talk. Talk. Talk.





quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Autismo na Bianca


Ontem recebemos na psicóloga a confirmação de que a Bianca está no Espectro Autista.

Não que seja uma supresa. Mas dá uma dorzinha.  Dura uns 5 minutos, mas dá.

O Eric recebeu o diagnóstico com 2 anos e meio. Na ocasião a Bibi tinha 3 meses.

Nós sempre acompanhamos a baixinha de perto e ela sempre apareceu atrasada, mas não se encaixava no espectro. Meninas geralmente tem diagnóstico tardio porque são mais sociáveis e etc (não sou especialista, não vou me estender sobre o assunto, o google pode te ajudar se quiser mais informações).

A Bianca é dócil, é muito inteligente, aprendeu a ler sozinha e lê com fluência de primeira série (segundo ano no Brasil). Ela é ótima em matemática. Fala as duas línguas mas, apesar de gostar de pessoas (o Eric não gostava) ela não sabe o que fazer perto delas. A comunicação também fica muito pra trás. Ela tem melhorado a cada dia e vai melhorar ainda mais.

Eu sempre dizia que a Bianca fez bem pro Eric, mas que o Eric não fez bem para a Bibi pq ela o imitava. Agora que o Eric está bem e se desenvolvendo eu posso dizer que o Eric é a MELHOR coisa na vida da Bibi. Ele é o único e melhor amigo dela. Ele é a única criança com quem a Bianca fala, brinca ou conversa (por horas, sobre Nintendo e Mario Bross).

Mas  com a experiência que temos com o Eric, não estamos preocupados. O diagnóstico só me economiza explicações sobre o comportamento da Bibi e vai me deixar furar todas as filas da Disney quando eu for pra lá.

E me faz querer cuidar mais de mim, como eu não terei filhos normais, tenho que viver o máximo que puder para ficar com eles o máximo que puder.

Beijos.


sábado, 27 de janeiro de 2018

Crochetando finalmente.

Escrevendo do computador completamente sem acentuacao do Capis.

OLHA EUUUUUUUU

Gente. Ta acontecendo. Estou crochetanto.


Eu estava pensando no que eu colocaria de meta em 2018 e ponderei e pensei em 3 metas somente que seriam atingíveis com um pouco de esforço.
Então as 3 metas são

1- comer saladas todos os dias.

Eu obviamente não sou uma pessoa saudável (dah), mas também não sou a doida da fritura e chocolate.. Eu não vou conseguir perder os 70 kilos que preciso com dieta, não vou, mas eu posso colocar esse habito, esse unico e bom habito com um pouco de esforço. Eu tenho falhado muito raramente.
Depois que comecei com a salada todos os dias eu senti o desejo de voltar a fazer suco verde todos os dias pela manha. Esse eh um habito que quero perseguir pq me deixa bem feliz. Quando eu estou tomando o suco eu sinto como se tivesse tomando um pote de vitaminas. Eu não emagreci nada esse ano, mas já me sinto um pouco menos inchada e mais disposta apenas mudando essas duas coisas.

2- Manter o quarto das crianças arrumado com a ajuda deles

Eu não tenho o zelo e a organizacao como marca.   Não eh natural pra mim.
Agora trabalhando o dia todo então, se não dividisse as tarefas com o Capis essa casa seria um ^ninho de rato^  como meu pai costumava dizer. Não me entenda mal, eu amo uma casa arrumada, só que pra mim eh um sacrifício, para outros já chega a ser prazer.
Sento assim, eu decidi que eu ia focar no quarto das crianças para ajuda-los a tomar gosto pelo zelo. Então eu chego do trabalho, e quando eu estou bem, eu levo eles pro quarto e faco eles arrumarem comigo e sim EH UM SACO. Eh chato, eh tao mais fácil ir la e fazer eu mesma, mas essa eh a minha meta do ano, e tenho conseguido, mas ainda com muitas falhas, tem dias que eu coloco eles na cama e junto eu mesma o que ta por la, ou só finjo que não vejo e fecho a porta.

3- Aprender a fazer croché.

Eu não tenho tempo livre. Eu não sei gente. Eu sempre trabalhei meio período, sempre tive tempo de ter a casa limpa antes das 3pm e então ia fazer minhas costuras, assistir meus seriados, fazer compras com calma.

Aqui eu to sempre exausta, eu perco muito tempo no celular pq não consigo tirar a bunda do sofá. Mas eu sinto falta de fazer arte eh o croché eh uma arte que me atrai a muito tempo, que eu nunca consegui aprender e eu achava impossível. Eu comecei essa semana e, com uma agulha mais grossa (3,5mm) e tutorias do youtube eu finalmente to entendendo a matemática da coisa e estou SUPER realizada em estar conseguindo. Ainda não terminei uma peca completamente, mas só de estar fazendo e tentando eu estou me achando o máximo.

Alem dessas metas eu e o Capis estamos tentando ler o livro de Mórmon 2x esse ano. Vale ler ou ouvir e eh muitosssss versículos por dia, mas estou amando, mesmo que em ritmo acelerado e isso enche meu coracao e me trás mais paz aos meus dias.

E vamo que vamo.


sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Vontade enorme de voltar

Eu ando com uma vontade louca de voltar a postar. Esse, querendo ou não, é o meu diário, é onde estão memórias preciosas pra mim.

Sempre vi com uma terapia também, onde eu podia desabafar e ganhar forças.

Mas eu já não tenho mais aquele ânimo. Porque eu ando muito ocupada. Porque o trabalho me consome. Porque uso outras mídias. Porque já não quero me expor tanto. Porque isso e aquilo e lá se vai um ano da minha vida que eu não registrei.

Quero tentar de novo. Vamos ver se me animo! Tanto o que contar.

Bjinhos

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Um caso de amor e ódio com a neve

Quando eu cheguei nos EUA foi em pleno veraozão de Julho. O Ar quente e seco do deserto que é Utah me pegou em cheio causando rachaduras na boca e no nariz, além de ter deixado a pele do rosto extremamente seca. AFF.
SENDO ASSIM

Eu estava até que ansiosa pelo frio e para ver neve pela primeira. 
Ai em novembro, ficou friozão e caiu um floquinhos de neve. Foi a coisa mais incrível . Aqueles floquinhos branquinhos caindo do céu. Durou mais ou menos 20 min, deixou a grama branquinha e acabou. Fiquei encantada. Tive que sair ver a neve (estava dando aula), filmei e tirei foto toda maluquinha.

Ai em dezembro começou a nevar de verdade.
E aí eu tive que dirigir na neve.
Aí eu comecei a andar na neve.
Aí comecei a ter neve todos os dias
e todos os dias
e todos os dias
e afffffff essa neve não acaba nunca?
E acabou-se o encanto e hoje eu DETESTOOOO NEVEEEEEEEEEEEEEEE

Não me entenda mal, eu ainda acho lindo...de ver. Detestável de conviver.

Eu confesso. Eu tenho medo de neve. Eu vejo neve e vejo eu caindo no chão quebrando os joelhos indo um pra cada lado.
Quando vejo alguém com foto ou vídeo esquiando eu me vejo meu corpo separando as juntas e ficando um pedaço de mim em cada parte. MEDO. PANICO. PAVOR. Detestoooooo.

SENDO ASSIM

Estou me esforçando, em passos tímidos a fazer alguma coisa dessa neve toda.


O ápice dessa minha convivência foi ter ido ao IceCastle com a família. 
E FOI DEMAIS!


E um castelo esculpido pelo homem. É tão interessante e tão lindo. Não tem como se sentir a verdadeira Elza (aliás, Elza passou a ser minha MENOS favorita)

As crianças AMARAM. O Eric se jogava no chão como se tivesse sei la, na praia. A Bianca achou que ela tinha a função de ajudar a fazer o castelo e passou toda a 1 hora e meia que passamos lá catando neve do chão e colocando nas paredes. Tipo engenheira de gelo (ou pedreira de gelo, ou geleira de gelo).





sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

O dia em que eu conheci a NieNie

POST LONGO

Ontem eu conheci a NieNie.

SE VC NÃO CONHECE A NIENIE

Video contando a experiência que ela teve: 
https://www.youtube.com/watch?v=Cf-hEscqHUg





Ontem eu e a Guigui fomos assistir a palestra da NieNie na BYU. Nós já seguimos (blog e instagram)  a NieNie a alguns anos e a Guigui já a encontrou nos mercados da vida.

Pra mim foi uma experiência espiritual incrível e transformadora. Mas para entender porque foi tão tocante, há algumas coisas que você precisa entender sobre mim.

- Nos últimos 4 ou 5 anos eu tenho vivido no "mode sobrevivência". Quando a depressão te acomete, sua vida fica em preto e branco.
 Estou a alguns meses, finalmente, sem necessidade de medicação e sem crises de pânico. Ainda tenho crises de ansiedade bem pontuais mas sei reconhecer os pensamentos fantasiosos. Ainda não consigo me livrar do sentimento que a crise provoca (choradeira, nervosismo, falta de ar) mas pelo menos já consigo saber reconhecer o porque de eu estar sentindo assim (assunto pra outro post).

Estou justamente no momento de relembrar quem eu sou, quem eu fui e tentar ser "tudo aquilo que eu posso me tornar". 

Na quarta-feira eu fui ao templo. Quem é próximo a mim já sabe que o Pai Celestial conversa comigo de forma clara e audível (tipo Chico Xavier sabe? kkkk), mas o fato é que o Pai Celestial na quarta-feira me mandou uma escritura linda que respondeu uma grande questão interior. 
Eu finalmente fiz as pazes com meu presente (eu trabalhando muito, meus filhos especiais, meu marido estudando muito e eu sustentando a casa para ele poder estudar muito ), algo que planejamos e estamos finalmente vivendo.
Mas, mais importante, eu fiz as pazes com meu futuro. O futuro gera EXTREMA ansiedade pra mim. Mas eu entendi que 

Vós sois criancinhas e ainda não compreendestes quão grandiosas são as bênçãos que o Pai tem nas mãos e preparou para vós;
  E não podeis suportar tudo agora; contudo, tende bom ânimo, porque eu vos guiarei.""
Outra coisa que eu também ouvi do Senhor é: amanhã você vai ter mais respostas.
Então eu fui para a palestra da NieNie sabendo que receberia respostas das minhas orações. Eu não vou conseguir transcrever exatamente o que a NieNie disse. Mas eu quero contar O QUE EU APRENDI, ou o que eu entendi, ou o que o Senhor quis me dizer através dela. 

MATERNIDADE
Eu sou (ou era) uma pessoa extremamente frustada com a maternidade. 
E sei que você não vai concordar ou entender o que eu vou escrever, mas eu que sempre quis ter 5 filhos (ou 10). Mas senti o amor pela maternidade indo embora quando a maternidade se tornou uma extrema provação. 
Eu sentia que eu não merecia ser mãe de filhos normais. Que eu sou tão ruim que meus filhos tinham que vir com proteção de uma deficiência. E como eles não faziam as gracinhas normais de uma criança da idade deles, como eles não falam ou conversam comigo como uma criança normal, pra mim, maternidade se tornou uma provação e um pesadelo e eu enxergava  nada de romântico e poético nela.
 Não me leve a mal, eu amo minhas crias e tenho milhares de alegrias vindo deles, mas todos esses pensamentos destrutivos foram sendo enfiados na minha mente e coração e eu só consegui reconhece-los (e livrar-se deles) após muita terapia.
Com a NieNie ontem eu me senti libertada desse peso. Ela fala da maternidade e você sente o poder sagrado desse chamado divino dentro de você pulsar. Ela comentou que sempre quis ser mãe. Que todas nós nascemos com a maternidade dentro de nós. Quem nem todas as mulheres irão gerar filhos, mas que todas nós exercemos a maternidade quando guiamos, nutrimos e influenciamos nossos sobrinhos, nossos alunos, enteados, as crianças de nossa comunidade. Isso é inerente a nós. A própria mãe Eva foi designada mãe antes de gerar filhos.
Ela contou que ela se sentia plena e realizada como mãe de 4 pequenos. Ela se realizava em cuidar da casa e das crianças. Ela amava colocar as crianças na cama, limpar a cozinha, passar pelos quartos deles cobrindo-os novamente antes de ir deitar. Ela vivia seu sonho e era feliz por isso. 
Então o acidente veio e foram 3 meses em coma, mais 3 meses de hospital. Ela voltou para casa desfigurada e em cadeira de rodas. Esticar os braços lhe causavam excruciante dor. Ela não reconhecia o próprio rosto e se sentia um monstro. Mas o que mais lhe causou aflição foi o medo de nunca mais exercer o papel de mãe que ela exercia. 
Seus filhos não a olhavam nos olhos mais (tinha medo) . O bebê que ficou 6 meses sem a mãe não a reconhecia mais. Tudo que ela queria era ser a mãe de seus filhos novamente. Até que um dia o bebe chorava muito e pedia pelo pai para lhe acalmar. O pai não conseguia.  Ela reuniu coragem e pediu que a ajudasse a descer as escadas para ela tentar mais uma vez, quem sabe ele deixaria. Entao  usou a mesma voz mansa que o marido usou para conforta-la minutos antes e disse: Nicolas, mamãe está aqui, mamãe vai protege-lo. O bebe começou a se acalmar e aceitou seu colo e foi o momento mais sublime de sua recuperação. 
Alguns anos Nienie deu a luz a um bebê lindo e saudável. Seu corpo queimado e desfigurado tinha gerado uma nova vida.
E aí eu me vi entendendo que eu não preciso de filhos normais e condições normais e nada de "normais" para aceitar e viver PLENAMENTE minha maternidade. A maternidade que é só minha e determinada pra mim. Eu me vi com uma urgência de me devotar a esses meus pequenos e amar mais plenamente e a VALORIZAR mais plenamente cada coisa que eu faço por eles e pra eles. Eu senti a honra de ser mãe desses dois. Eu senti um peso indo embora, eu me senti FELIZ. Eu senti que eu posso amar a maternidade. Eu já orei sobre ter mais filhos e eu ouvi repetidos NÃOS do Senhor. Como pode eu ouvir não se trazermos filhos é seu plano para todos nós? Não existe nós e não existe os outros, existe a MINHA VIDA, a minha realidade, o que eu , meu marido e Deus decidimos e o que eu tenho é sagrado e divino e como filha de Deus eu tenho esse potencial divino e lindo em mim.
PROVAÇÕES
Enquanto eu ouvia o relato da NieNie ontem (e eu já li o livro dela relatando todo o processo) eu tive um CLICK.
Ela contou sobre suas orações e sobre cantar "Oração de uma criança" repetidas vezes sentindo que o Pai Celestial estava longe e recebendo conforto nas palavras "sim, perto está, sim, ele te ouve". Eu me vi novamente nos momentos de agonia em que eu GRITAVA essa música, aos prantos, com a certeza de que Deus me abandonara e então recebendo  conforto Dele.
E aí eu percebi que eu idolatro a NieNie, mas ela é EXATAMENTE igual a TODAS nós. Todas nós mulheres da Igreja (e fora tbem provavelmente) vamos passar por uma provação transformadora (e eu diria necessária) nessa vida. Comecei a pensar nas minhas amigas e consegui ver esse padrão de diferentes formas: depressão, um acidente de carro horrível, um aborto espontâneo, uma gestação já avançada interrompida, um divórcio doloroso, uma diagnóstico devastador, perder um filho para um cancer, enfrentar a perda de um ente querido, desemprego e por aí vai. Mas todas nós em diferentes níveis passamos por algo excruciante e determinante. É preciso coragem para seguir em frente e buscar ao Senhor. Conhecer ao Senhor em meio as tribulações. 
BELEZA VEM DO CORAÇÃO
Com um corpo deformado e segundo ela, nada atraente, sentindo falta do próprio rosto e tento que passar por a experiência de ter as pessoas a encarando todos os dias , NieNie teve que lutar para se sentir bonita novamente. A primeira vez que ela usou rímel de novo pós acidente foi decepcionante. Ela se encarou de novo usando rímel e tudo que conseguiu foi ter o rímel espalhado por todo o rosto borrado por uma enxurrada de lágrimas. 
Mas ela se esforça todos os dias para se sentir bela e descobriu que a beleza vem do coração. E quem a conhece sabe que ela é super fashion e vaidosa. Super estilosa. Ela sempre se cuidou e hoje ela faz trilha todos os dias, mesmo embaixo de neve. Um dia uma mulher a parou no meio do caminho e disse que sentia inveja da força que ela tinha...e ela agradeceu em meio a lágrimas pq esse mesmo corpo, chamado de forte hoje, foi coberto de bandagens, sofreu milhares de cirurgias e tem pedaços de pele criadas em laboratório. Esse mesmo corpo enfrentou sessões torturantes de troca de bandagens e de fisioterapia. E aí que me deu um click. I'M DONE OF HATING MYSELF. 

Eu estou cansada de me sentir frustada por não conseguir emagrecer. Eu estou cansada por me odiar por cada dieta que eu fracasso. Eu estou cansada por isso me abalar tanto que eu passe a odiar o que eu sou e me tornei. Eu cansei de me odiar pela minha falta de capacidade de mudar de uma vez EU CANSEI DE ME ODIAR. E eu não vou me permitir me odiar nunca mais. Eu vou aceitar minha falha e vou continuar caminhando para ser mais saudável, mas I'M DONE OF HATING. Parte da minha dificuldade em emagrecer é pq eu não quero ficar odiando quem eu sou agora. Olhando fotos dessa época e me odiando. 
Minha beleza está aqui no que eu sou e minhas fraquezas não me definem!
 Não estou falando que estou chutando o pau da barraca ou que não me enxergo, mas eu tenho esse corpo gordo que me leva pra lá e pra cá, que costura e fotografa, que escreve e ensina português para crianças que só falam inglês. Que vai ao templo, que dá colo, que dá amor, que dança quando quer, que tem função. Que não é perfeito e que tem anos de maus hábitos construídos. Que vai mudar aos poucos e bem poucos, mas eu tenho que amar o que eu sou em cada estágio e peso. Eu cansei de me odiar. Cansei de me preocupar com o julgamento dos outros. Cansei de pensar: mas o que vão pensar de mim. CANSEI. I'M DONE! Beleza vem do coração! Ninguém me odeia por ser gorda não é eu que vou me odiar. DONE!
FEMININA
NieNie deu aula do que é ser uma mulher que entende o papel que o Pai Celestial lhe deu. Que tem a capacidade de ser o que quiser. Que pode ser julgada por ter escolhido a maternidade à profissão. Ou que pode ser julgada por decidir ser mãe depois de concluir os estudos. OU ser mãe e profissional. 
Eu me senti como uma filha de Deus ao ouvir a valorização que ela dá a mulher. Ao feminino. A maternidade. Ela não usou UMA palavra de julgamento. Ela somente quis que cada menina presente entendesse sua beleza e seu potencial divino. Que cada mulher se enxergasse como Deus a enxerga. Que cada menina olhasse seu interior e amasse o que viu. E tivesse coragem se ser esse tipo de mulher, que valoriza a maternidade, que valoriza a família, que se alegra em boas tradições.
CONCLUINDO
Isso foi meu resumo. Foi transformador pra mim. Foi inspirador!
Eu espero seguir em frente com mais coragem e alegria com relação a vida. Essa vida é sobre ter alegria. Vamos em frente!

Ps: E aí eu fui falar com ela. E aí eu comecei a chorar e não falei nada com nada. E aí ela me consolou e me abraçou. E ela é a pessoa mais linda que eu já vi. E o Chistian it's kind of hot too. E eu falei com a Claire e com a Jane e elas são LINDAS. E a mãe dela e a Lucy tbem estavam. E esse foi meu lado fã. E não tem selfie pq foi sagrado demais, mas a Guigui registrou. E eu queria ir pra casa da NieNie comer uma sopa e nadar na piscina no verão...FIM!

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Halloween 2016

Eu quero muito voltar a blogar e eu vou me esforçar pra isso.

Alguns motivos que me fizeram parar:

- Facebook é mais rápido
- Eu não me acho tão interessante hehehe
- É difícil upload foto no Mac e a maioria eu tiro do celular. Eu ainda não consegui pelo aplicativo do Blogger. Ele não funciona muito bem.
- Eu chego em casa completamente exausta e se eu lavo a louça já tô no lucro.

Mas eu quero tentar. Vou tentar...e nesse ensaio da volta eu vou escrever sobre coisas que aconteceram um tempão atras. 

Então comecemos pelo Halloween 2016. Bom, minha escola é extremamente rígida com exposição dos alunos, por isso que não vai ter foto dos alunos aqui. Coloquei essa pq não parece o rosto de ninguém. Mas gente: halloween nos EUA ( bom, halloween É DOS EUA) é a coisa mais INCRÍVELLLLL . Primeiro que tudo fica enfeitado, a escola inteira entra no clima, a vizinhança, o comércio então nem se fala.

O Halloween não é um feriado, então o pessoal (eu inclusive) vai trabalhar fantasiado e na escola a programação é toda especial.

Primeiro que as crianças vem uma mais fofa que a outra. Em um momento da manhã temos a "parade" onde todas as crianças vão em todas as turmas e passam pelo ginásio onde os pais estão esperando o desfile.

Depois tem uma festinha que quem organiza, pasmem, SÃO AS MÃES. Aqui na escola no começo do ano as mães se voluntariam para ser a mãe (ou pai) responsável pela sala de aula. Essa pessoal organiza os voluntários.

As mães em ação
 No dia elas fizeram 3 atividades e dividiram a sala em 3 grupos que faziam a rotação a cada 15 minutos. Uma era um bingo de halloween, outra era um craft de monstro e outra era para fazer um chapéu de bruxa com doces. Depois enquanto uma mãe contava uma história para os alunos as outras iam arrumando tudo. É O MAIO BARATO....

No fim do dia,  era a vez de sair com meus filhos para o Trick or Treat.
Eu mandei o Eric para a escola com uma fantasia de Minion, mas ele teve um acidente com xixi na escola. Quando ele chegou em casa eu só pensei: ixi, era a única que ele tinha.
Mas aí, como eu tinha comprado maquiagem zumbi para o Capis, ja peguei e rasguei umas roupas velhas do Eric, maquiei ele rapidao, fiz a maquiagem do Capis que foi pro trabalho, arrumei a Bianca de UFA, bora pro Trick or Treat.

Tentativa 1

Tentativa 2

Tentativa 3: num deu!
Nós sempre vamos em um condominio fechado que a Guigui indicou. O Eric ja pegou a mãnha de ir pegar os doces. Ele adora uma casa que faz um tunel do terror. A Bibi vai tranquilona no ritmo dela. Ela tem medo quando tem coisas de monstros mas pareceu se divertir tbem.

Enfim...foi bem legal, eles ganharam muitos doces. Tem um video no youtube sobre esse dia. Um mostra o Halloween da escola e o outro o nosso com as criancas.
Bjo

Fui





domingo, 4 de setembro de 2016

Formatura da Bianca

Já é quase fim de ano mas esse é meu blog e minhas memórias então tudo bem de eu escrever tudo atrasado (mesmo que 3 meses atrasado)

Fim de Maio foi a "formatura" da Bianca da pré-escola. Embora ela esteja fazendo de novo a pre-escola esse ano. Ela só mudou de programa. 
Ela frequentava "Early Child Intervention" e agora ela frequenta Special Education Pré-school.

Foi fofo demais!




Eu primeiramente falei que só o Capis iria pois era no horário de trabalho. Aqui para sair do trabalho eu só posso sair o dia inteiro ou meio dia e eu posso sair se me programar, mas sai do meu salário o pagamento da substituta. 
Mas essa é minha filha em sua primeira formaturinha e de última hora pedi mesmo a folga e fui.

 Ai quanta fofura ver a Bibi dançando e cantando as musiquinhas em inglês.
 Eu amo essa meia-calça rosa que eu comprei na sessão de fantasias na época do halloween. Um dia depois do Halloween tudo fica 70% ou 90% e foi lá que comprei essa meia por 2 dolares. HÁ!


Aqui ela recebendo o primeiro diploma (e bolinhas de sabão).

A Bianca ADORA ir pra escola. Ela vai sozinha de onibus escolar. Quando o ônibus chega ela sai correndo. Não sou eu quem a coloca no ônibus. É o Capis então ele me contou.

Nós tivemos que dar um jeito aqui em casa para nos adequar a rotina das crianças. Como eu trabalho o dia todo e saiu mais cedo que eles o Capis trabalha das 5pm as 2 am. 

Eu saio as 7:00 am. O Eric as 9:00 am, a Bibi as 12:00 pm. Bibi chega as 3:30 pm, o Eric as 4:00 pm e eu 4:30 pm e aí as 5 pm o Capis sai pro trabalho.

É um arranjo complicado mas ao mesmo tempo simples. Eu acho que eu não conseguiria trabalhar tranquila se não fosse assim. É bom saber que a Bibi está com o pai. Que está quentinha nos dias de inverno, que está protegida. 

Se não fosse assim teríamos que pagar babá ou DayCare e ficaria bem inviável. 
Saudades das creches públicas...ô saudade!